Publicações e Posts


 

Esta é a seção de Postagens e Publicações, partilhadas pelos distintos sites vinculados ao Jornal A Pátria. Para retornar a seção ou blog que estava anteriormente, basta clicar nela abaixo (ou voltar no navegador):

Bíblias do mercado começam a abandonar Bolsonaro

Jornais dito 'Mercado' e revistas financeiras internacionais criticam candidato Jair e sinalizam trégua com Haddad.

“Bolsonaro, cujo nome do meio é Messias, promove a salvação; na realidade, ele é uma ameaça para o Brasil e a América Latina.”
“Se ele ganhar, pode colocar em risco a sobrevivência da democracia do maior país da América Latina”
“Se Bolsonaro ganhar, o próximo governo não conseguirá nenhuma (das reformas) acima citadas. Pior, seus instintos autoritários podem enfraquecer ainda mais a democracia brasileira”

Não, não foi o Granma, o jornal oficial do Partido Comunista de Cuba, que publicou essas frases. Isso estava no editorial (e em um briefing) da revista Economist, a bíblia dos livre-mercadistas e cabeças pensantes do mercado.

“Nos últimos dois meses, enquanto a maioria dos investidores em emergentes acordaram para o dólar forte, as taxas de juros em ascensão e a redução na liquidez barata que vinha sendo o grande motor dos mercados emergentes por tantos anos, eles também acordaram para a ideia de que talvez eles não consigam ter um presidente (no Brasil) pró-reformas. Começam a pensar mais na possibilidade de Bolsonaro não acreditar em reformas…Paulo Guedes certamente é um reformista, mas isso não significa que Bolsonaro vá ouvi-lo…e mesmo que Bolsonaro fosse o mais fervoroso reformista, ele provavelmente não conseguiria aprovar nada no Congresso. Então é irônico que aquele que era o azarão desta eleição até pouco tempo atrás, Fernando Haddad (...) é, na realidade, uma pessoa séria. Apesar de o programa do PT ser muito contrário a reformas, e inclusive prega que sejam desfeitas as reformas bem pequenas que foram feitas, ele é um cara sério que acredita em deixar a Petrobras e outras petrolíferas determinarem preços, acredita em uma previdência unificada, acabando com o sistema de previdência injusto que beneficia o setor público em detrimento de todo o resto. Então o mercado pode acabar conseguindo o que quer, do jeito que menos espera”.

Um colunista de esquerda do jornal progressista Guardian? Não, o autor desse comentário é de Jonathan Wheatley, um dos principais colunistas e jornalistas cobrindo mercados emergentes para o Financial Times, jornal econômico acompanhado por grande parte do mercado (e ex-correspondente no Brasil) —em podcast desta quinta-feira (20) no jornal.

“Fernando Haddad é um moderado que governou São Paulo por quatro anos, foi fiscalmente responsável e adotou ideias progressistas para transporte público que foram apoiadas pela classe média alta. Mas vem de um partido que se radicalizou muito por causa do impeachment e, economicamente, o partido quer levar o país para onde estava oito anos atrás, com Lula, um governo de grandes gastos dependente do boom das commodities, Vai ser difícil para um governo Haddad lidar com as pressões do PT e do Congresso, que certamente será hostil ao PT. Sera um equilíbrio difícil, não sei se ele tem experiência para isso.”

E esse, é talvez alguém no New York Times, que vê em Bolsonaro um Trump em gestação? Não, é Joe Leahy, chefe da sucursal do Financial Times no Brasil, no mesmo podcast.

“Com Bolsonaro fora da campanha desde que foi esfaqueado por um fanático em 6 de setembro, seu companheiro de chapa, general Hamilton Mourão, assumiu protagonismo, e sobretudo porque os vice-presidentes frequentemente assumem a presidência no Brasil. O presidente Michel temer é o terceiro a assumir desde 1985, quando o país voltou à democracia... “Tenho certeza de que Bolsonaro tem as mesmas opiniões que Mourão”, diz Monica de Bolle, vice-presidente de Estudos Latino-Americanos na Universidade Johns Hopkins. “Esses militares reformados não tem um comprometimento real com as instituições democráticas”.

Esse trecho não vem de uma reportagem de algum veículo de centro-esquerda, alertando para os perigos de um vice como Mourão assumir. Vem de uma reportagem da Bloomberg, um dos principais veículos de informações financeiras do mundo.

Sabemos que alguns dirão que esses veículos aí são todos “fake news”. Esses alguns deveriam se preocupar com uma possível debandada da “entidade” mercado, que antes apoiavam Bolsonaro de forma quase eufórica.


Matéria original, em Folha de S. Paulo.

CONHEÇA A NOSSA LIVRARIA! COMPRE OS NOSSOS TÍTULOS!