Publicações e Posts


 

Esta é a seção de Postagens e Publicações, partilhadas pelos distintos sites vinculados ao Jornal A Pátria. Para retornar a seção ou blog que estava anteriormente, basta clicar nela abaixo (ou voltar no navegador):

Chaves para entender os protestos no Haiti e a atual crise socioeconômica


Os protestos no Haiti exigem medidas urgentes para enfrentar a crise política, social e econômica do país.


Desde o último dia 7 de fevereiro, novamente o Haiti está passando por fortes dias de protestos convocados por setores da oposição contra o governo de Jovenel Moise. As manifestações acontecem no marco da crise política e socioeconômica que o país caribenho atravessa, abalado pela corrupção e pelo desperdício dos recursos sociais do Estado.


Até agora, relatórios não oficiais indicam que oito pessoas morreram, enquanto a oposição informa que foram 50 manifestantes mortos.


No entanto, não há informações oficiais sobre o número de mortes e as circunstâncias em que morreram. Enquanto isso, os protestos continuam e algumas embaixadas anunciaram a evacuação de sua equipe diplomática.


Razões e demandas dos protestos


Os manifestantes pedem a renúncia imediata do presidente Jovenel Moise e sua equipe do governo. Da mesma forma, exigem medidas urgentes para enfrentar os principais problemas que afetam os cidadãos.


Os manifestantes denunciam a grave situação social e a deterioração dos serviços públicos, que estão diretamente ligados à má administração de recursos por parte do Executivo.


No final de novembro de 2018, um relatório do Tribunal Superior de Contas confirmou que mais de dois bilhões de dólares destinados à área social foram desviados por cerca de 15 ex-funcionários do governo haitiano.


Além disso, os manifestantes exigem uma redução nos padrões de custo de vida. "Os haitianos sofrem diariamente,recebo muita pressão dos meus eleitores que me perguntam e eles me avisam que estão ficando sem água, que estão ficando sem comida, que estão em pânico, que podemos não ser muito Longe de qualquer tipo de crise humanitária, isso é real, isso é sério ", disse o deputado para a comuna de Petion Ville, Jerry Tardieu.


Fundo de 2018: aumento de combustível


Em junho de 2018, os haitianos foram às ruas para protestar contra o aumento dos preços da gasolina e do querosene. Uma medida acordada em fevereiro entre o governo e o Fundo Monetário Internacional (FMI).


A situação levou à demissão do então primeiro-ministro Jack Guy Lafontant. Em agosto, o presidente Jovenel Moise nomeou o notório e ex-candidato presidencial Jean-Henry Céant como substituto.


Situação socioeconômica atual do Haiti


O Haiti continua sendo o país mais pobre da América. Segundo dados da CEPAL, a economia cresceu apenas 1,4% em 2018, uma das menores da região.


Desde a chegada ao poder de Jovenel Moise, o país caribenho tem um déficit orçamentário superior a 86 milhões de dólares. Também sofre uma inflação de mais de 15% e a perda do valor de sua moeda nacional em relação ao dólar, em mais de 20%.

Segundo Moise, o país recebe mais de 300 milhões de dólares, enquanto importa 100 milhões de dólares.


A tudo isso soma-se a constante instabilidade política e as catástrofes humanitárias, como o terremoto de 2010, que destruiu grande parte da infra-estrutura do país.


O Haiti é um país sob intervenção


A nação caribenha tem sido vítima de abusos de missões internacionais desde 2004, incluindo a Missão das Nações Unidas no Haiti (Minustah). De fato, após o terremoto de 2010, foi desencadeada uma epidemia de cólera que foi introduzida por soldados nepaleses, membros dos Capacetes Azuis.


"A Minustah é a força de ocupação que visa garantir a estabilidade institucional a serviço das transnacionais e um modelo de exploração dos recursos naturais haitianos", disse o jornalista Fernando Vicente Prieto à imprensa russa RT. Ele acrescentou que a presença dos capacetes azuis também favorece "as ONGs que canalizam os supostos fundos de ajuda humanitária".


O líder camponês haitiano Jean-Baptiste Chavanne explicou, por sua vez, o país é "totalmente dependente da ajuda internacional, por um lado, dos governos imperialistas e das instituições financeiras internacionais". Ele indicou que é uma crise estrutural "do sistema capitalista e do tipo de governo do Haiti".


No entanto, milhares de dólares do exterior não chegam à população e permanecem nas mãos de empreiteiros estrangeiros, agências civis e militares. Tal é o caso da Fundação Clinton acusada em várias ocasiões de cometer crimes financeiros com os 30 bilhões de dólares coletados para o fundo de recuperação do Haiti.


"Governos passados ​​privatizaram tudo, agora o plano é a privatização total, até mesmo serviços como saúde e educação", acrescentou Chavanne.


Resposta do governo aos protestos


O presidente do Haiti, Jovenel Moise, convocou a oposição ao diálogo para encontrar soluções para a crise política e socioeconômica.


"Temos que dialogar abertamente e hoje quero estender minha mão para a oposição radical e moderada para encontrar soluções para manter a paz e a estabilidade", disse ele em 9 de fevereiro. "Eu venci nas eleiçes e se alguém quer poder, eles precisam ir para as eleições ", acrescentou.


"Podemos agir e tomar medidas para controlar a especulação, já tomamos medidas para reduzir o déficit fiscal, estou disposto a dialogar para manter a estabilidade", disse o presidente.


Em 5 de fevereiro, o governo declarou uma "emergência econômica", a medida inclui uma redução no custo dos bens básicos e aumento no acesso ao crédito para pequenas empresas para tentar aliviar a crise.



Por Telesur

CONHEÇA A NOSSA LIVRARIA! COMPRE OS NOSSOS TÍTULOS!