Publicações e Posts


 

Esta é a seção de Postagens e Publicações, partilhadas pelos distintos sites vinculados ao Jornal A Pátria. Para retornar a seção ou blog que estava anteriormente, basta clicar nela abaixo (ou voltar no navegador):

Como surgiram nossas sociedades?

Texto do professor Luiz Cotias, de seu blog pessoal.

PALEOLÍTICO


O homem, no período Paleolítico, desenvolveu seus primeiros utensílios, controlou o fogo, criou significado para a morte e para a arte figurativa.

3 milhões de anos - utensílios

500 mil anos - fogo

100 mil anos - sepulturas 40 mil anos - arte figurativa

Cada avanço representava a construção de novas relações sociais. O impacto das descobertas deu origem a capacidade humana em superar sua contingência natural. Ocorreu, gradativamente, a separação do mundo natural do mundo simbólico.


O homem passou a "construir a sua realidade" ao invés de tentar apenas se adaptar ao meio.

NEOLÍTICO


No período Neolítico, o homem domesticou animais, desenvolveu a agricultura, tornou-se sedentário e desenvolveu as primeiras cidades.

12 mil anos - Domesticação e agricultura 10 mil anos - sedentarismo 3 mil anos - cidades

A necessidade de se estabelecer em local fixo gerou as primeiras estruturas de poder e propriedade. O modelo tribal regido pelo "modo de produção aldeão" logo foi sucedido pelo "modo de produção palatino".


MODO DE PRODUÇÃO ALDEÃO


Estruturação social que remonta à revolução neolítica; são características suas a economia de subsistência, a ausência de divisão e especialização do trabalho, dando-se, em cada aldeia, a união da agricultura e do artesanato. Outras características definidas são a ausência de uma diferenciação em classes sociais e a propriedade comunitária sobre a terra.

MODO DE PRODUÇÃO PALATINO


Resultaria da revolução urbana, que desembocara no surgimento de complexos palaciais e templos como centros de nova organização social.


A economia passara a basear-se na concentração, transformação e redistribuição dos excedentes estraídos por templos e palácios, dos produtores diretos, em sua maioria ainda membros de comunidades aldeãs, mediante coação fiscal, configurando tributos "in natura" ou trabalhos forçados por tempo determinado, para atividades civis e militares.


Isto manifestava divisão e especialização do trabalho, com o surgimento dos especialistas de tempo integral (artesãos, sacerdotes e burocratas dependentes dos templos e palácios), uma diferenciação fortemente hierárquica da sociedade, um sistema já complexo de propriedade que incluía, entre outras formas, as propriedades dos palácios e dos templos.

As comunidades aldeãs e, em regiões marginais, também as comunidades tribais, tomadas em si mesmas, eram o resíduo de um modo de produção cujas raízes mergulhavam no passado pré-histórico; mas constituíam, ao mesmo tempo, a base sobre a qual se desenvolvera o novo modo de produção palatino.


Este último só pode surgir e se expandir explorando o modo de produção mais antigo, que foi subordinado, adaptado e utilizado de acordo com os novos interesses, mas sem perda de todas as suas características próprias.

16 visualizações0 comentário

CONHEÇA A NOSSA LIVRARIA! COMPRE OS NOSSOS TÍTULOS!