Publicações e Posts


 

Esta é a seção de Postagens e Publicações, partilhadas pelos distintos sites vinculados ao Jornal A Pátria. Para retornar a seção ou blog que estava anteriormente, basta clicar nela abaixo (ou voltar no navegador):

Conferências dos Escritores Afro-Asiáticos (1958-1979)

Atualizado: 23 de Ago de 2019



A Associação dos Escritores Afro-Asiáticos foi o principal veículo organizacional de envolvimento soviético com as literaturas pós-coloniais. Embora se formasse como o equivalente literário do Movimento Não Alinhado, a Associação estava fortemente alinhada. O objetivo principal da Associação foi forjar uma aliança internacional entre as literaturas dos dois continentes visando a consolidação de suas forças e a independência dos centros editoriais de Paris, Londres e Nova York.


Os recursos simbólicos e materiais do estado soviético baseado na sua experiência de internacionalismo literário nas duas primeiras décadas após a Revolução Russa de 1917, ajudaram a forjar um campo literário afro-asiático desenvolvendo quatro instituições principais: congressos de escritores internacionais, um escritório de coordenação, um trimestral literário multilíngue e um prêmio literário internacional.


As Conferências dos Escritores Afro-Asiáticos foram uma série de encontros de figuras literárias da Ásia e da África que ocorreram ao longo de duas décadas para denunciar o imperialismo e estabelecer contatos culturais entre seus países.


A primeira conferência (e, de longe, a mais conhecida) foi realizada em outubro de 1958, em Tashkent, capital do Uzbequistão (naquela época, Uzbeque SSR – República Socialista Soviética Uzbeque). Essa conferência contou com 140 escritores de 36 países. Conferências subsequentes convocadas em Cairo, Egito, em fevereiro de 1962, em Beirute, Líbano, em março de 1967, em Nova Deli, na Índia, em novembro de 1970, em Almaty, no Cazaquistão (naquela época SSR Cazaque, República Socialista Soviética Cazaque) em setembro de 1973, e em Luanda, Angola, em junho de 1979.


As Conferências dos escritores afro-asiáticos foram inspiradas pela Conferência Asiática-Africana de 1955, que se reuniu em abril de 1955 em Bandung, na Indonésia. Embora a Conferência de Bandung não tenha estabelecido nenhum órgão permanente, isso levou a reuniões subsequentes, geralmente com representantes de nível inferior. A reunião no Cairo em dezembro de 1957 à janeiro de 1958 estabeleceu a Organização Afro-Asiática de Solidariedade dos Povos (AAPSO) com um secretariado permanente na capital egípcia. A AAPSO organizou a primeira Conferência de Escritores Afro-Asiáticos, que por sua vez formou um Escritório permanente de escritores afro-asiáticos em Colombo, Ceilão (agora Sri Lanka). O escritório publicou um periódico em inglês sob o título The Call no início da década de 1960 e outro em inglês, francês e árabe sob o título de Lotus desde o final da década de 1960 até a década de 1990.


As Conferências dos Escritores Afro-Asiáticos promoveram traduções para ajudar os autores asiáticos e africanos a chegar a um público maior e a realizar visitas de fala planejadas para que os escritores viajassem por toda a região. Além de fornecer um fórum para compartilhar obras literárias, as conferências também serviram de espaço para discussão política. Alguns autores conseguiram usar essas plataformas para criar seus próprios perfis políticos. Por exemplo, o poeta chinês Guo Moruo, que ocupou vários cargos importantes no Partido Comunista Chinês, usou o espaço que obteve ao participar das Conferências iniciais de escritores afro-asiáticos para se tornar um diplomata importante que participou das aberturas chinesas para muitos Países asiáticos e africanos.


Os organizadores da conferência às vezes tentavam enfatizar sua visão inclusiva do Ocidente convidando os afro-americanos a se juntarem. Em particular, W.E.B. DuBois, que lamentou ter sido incapaz de comparecer à Conferência de Bandung durante o período em que o passaporte foi confiscado, e participou com entusiasmo da Conferência dos escritores afro-asiáticos em Tashkent, onde foi saudado de pé por outros delegados.


A Conferência dos Escritores Afro-Asiáticos também buscou consolidar a literatura do Terceiro Mundo como um campo coerente através do Prêmio Literário Lotus, inspirado no Prêmio Lenin da Paz Mundial do Conselho Mundial da Paz, do início da Guerra Fria. Prezado como o Nobel afro-asiático para a literatura, o Prêmio Lotus ajudou a produzir um verdadeiro cânone afro-asiático contemporâneo: o poeta palestino Mahmoud Darwish (1969) e o escritor sul-africano Alex La Guma (1969), os romancistas Sembene Ousmane (1971 ) e Ngugi wa Thiongo (1973), a novelista nigeriana Chinua Achebe (1975) e seu compatriota, o poeta, formado pelo Instituto Literário de Moscou e o futuro presidente da União dos escritores africanos Atukwei Okai (1980). Muitos dos beneficiários receberam o prêmio bem antes de adquirirem uma reputação literária significativa entre os públicos ocidentais.


Do Coletivo Minervino de Oliveira – RJ.

Fonte: Hala Halim, “Lotus, the Afro–Asian Nexus, and Global South Comparatism,” Comparative Studies of South Asia, Africa and the Middle East/ 32 (2012)

http://www.codesria.org/spip.php?article1976&lang=en


Vera Tolz, Russia’s Own Orient: The Politics of Identity and Oriental Studies in the Late Imperial and Early Soviet Periods. (http://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/0022009412461777?journalCode=jcha)


The Global Cold War: Third World Interventions and the Making of Our Times. By Odd Arne Westad. http://jordanrussiacenter.org/event/afro-asian-writers-association-inventory-workshop/

http://www.biennalejogja.org/2013/article/the-asian-african-conference-of-writers-as-a-historical-junction-in-equatorial-relations/?lang=en

https://www.jstor.org/stable/3818313



23 visualizações

CONHEÇA A NOSSA LIVRARIA! COMPRE OS NOSSOS TÍTULOS!