Publicações e Posts


 

Esta é a seção de Postagens e Publicações, partilhadas pelos distintos sites vinculados ao Jornal A Pátria. Para retornar a seção ou blog que estava anteriormente, basta clicar nela abaixo (ou voltar no navegador):

Energia solar deve se tornar a principal fonte do Brasil em até 20 anos

Atualmente, o Brasil tem mais de 60 mil unidades consumidoras de energia fotovoltaica



A instalação em casas de médio porte custa R$ 15 mil reais (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

Em 20 anos, a energia solar vai ser a principal fonte do Brasil, ultrapassando as hidrelétricas, segundo a Bloomberg News Energy Finance. Hoje, o Brasil tem mais de 60 mil unidades consumidoras de energia fotovoltaica, que juntas, somam R$ 2,6 bilhões em investimentos desde 2012.


Em 2018, com aumento de 124%, o segmento passou a contar com 7 mil empresas, segundo a Associação Brasileira de Energia Solar.


Para o vice-presidente da Absolar, Ronaldo Koloszuk, a redução dos custos dos equipamentos ajudou no impulso do setor.


A instalação em casas de médio porte custa R$ 15 mil reais, mas especialistas garantem que o retorno vem entre dois a sete anos. A coordenadora de infraestrutura da escola Casa Thomas Jefferson, Fernanda Barros, conta que uma das unidades reduziu em 80% a conta.


Desde 2012, a forma de consumo da energia fotovoltaica mudou, após a Agência Nacional de Energia Elétrica criar uma resolução permitindo a "geração distribuída". Isso significa que a moradia pode fornecer eletricidade produzida em excesso para a rede distribuidora em troca de desconto na conta durante a noite.


O presidente da Associação Brasileira das Distribuidoras de Energia Elétrica, Nelson Leite, defende a cobrança de uma taxa para quem possui energia solar.

Na semana passada, a Aneel abriu uma audiência pública para discutir alterações na geração distribuída.


O Estado de Minas Gerais é o único a ultrapassar a marca de 100 megawatts, de acordo com último relatório, divulgado no início do mês, com 21,8% da potência instalada no País, seguido pelo Rio Grande do Sul e São Paulo. O Rio de Janeiro, que esteve na quarta posição, agora aparece em 6º lugar, com 4,2% da potência instalada no país.


De acordo com a ABSOLAR, mais de 75% dos sistemas instalados são residenciais, enquanto 16% são de empresas. Consumidores rurais (4,3%), indústrias (2,7%), poder público (0,7%) e outros tipos, como serviços públicos (0,1%) e iluminação pública (0,01%).




Por Band News

11 visualizações

CONHEÇA A NOSSA LIVRARIA! COMPRE OS NOSSOS TÍTULOS!