Publicações e Posts


 

Esta é a seção de Postagens e Publicações, partilhadas pelos distintos sites vinculados ao Jornal A Pátria. Para retornar a seção ou blog que estava anteriormente, basta clicar nela abaixo (ou voltar no navegador):

Líder da ala radical da oposição na Bolívia esteve com chanceler de Bolsonaro em maio deste ano

Há indícios consideráveis de participação do Estado brasileiro no golpe boliviano. Isso nos desperta imensa preocupação, uma vez que é absurda a ingerência de um país nos rumos políticos de outro, e atesta a vocação também golpista e autoritária do governo Bolsonaro.

Líder da oposição na Bolívia, Luis Fernando Camacho, se encontrou com Ernesto Araújo

Luis Fernando Camacho pediu ajuda ao governo brasileiro para que Evo Morales fosse impedido de tentar a reeleição. Com informações de O GLOBO.


BRASÍLIA — Líder da ala radical do movimento oposicionista que resultou na saída de Evo Morales da presidência da Bolívia, o empresário e advogado Luis Fernando Camacho pediu ajuda ao governo brasileiro, no início de maio deste ano, para que Morales fosse impedido de tentar a reeleição. Segundo relato do próprio Camacho, ele teria recorrido pessoalmente ao ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.


Em vídeo divulgado na época em redes sociais, Camacho disse ter pedido a Araújo que realizasse uma consulta na Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA). Um dos argumentos usados por ele era que a reeleição de Moraes seria inconstitucional.

"Tivemos o compromisso do chanceler [Ernesto Araújo] de realizar a consulta e que se realize a mesma para que tenhamos resposta antes do processo eleitoral", afirmou Camacho.

Procurado, o Itamaraty informou que a audiência, ocorrida no dia 2 de maio, era, na verdade, com a deputada Carla Zambelli (PSL-SP). A parlamentar estava acompanhada de Camacho e um grupo de parlamentares bolivianos, que estiveram com o chanceler para "tratar de temas de interesse para as relações bilaterais". De acordo com o Itamaraty, o opositor não manteve reunião ou conversa específica com o ministro.


Carla Zambelli disse que os deputados e senadores bolivianos entregaram uma carta pedindo para o Brasil se posicionar contra a candidatura à reeleição de Morales. Uma cópia do documento também foi deixada no Palácio do Planalto.


— O governo não deu resposta sobre essa carta. Essa solicitação foi deixada, mas o governo não agiu, até onde eu sei. Foi uma tentativa. Tanto é que o pedido era para que a reeleição nem acontecesse, que Evo Morales não tivesse o nome entre os concorrentes, porque a reeleição dele era inconstitucional. Já era a terceira reeleição dele, sendo que a Constituição da Bolívia é igual à do Brasil, só podia uma reeleição — disse a parlamentar. (...)


Evo Morales foi reeleito no fim de outubro, num pleito contestado pela oposição. Logo em seguida, o Itamaraty informou que não iria reconhecer, naquele momento, a reeleição de Morales, e defendeu uma auditoria completa da votação pela OEA. (...)


Diante do resultado da editoria, Morales propôs a realização de uma nova eleição, com a renovação dos juízes do Tribunal Supremo Eleitoral.


Mas Camacho, que lidera a ala radical da oposição, recusou a oferta e continuou pedindo a renúncia do presidente. Morales finalmente anunciou sua renúncia depois de ameaçado e intimidado pelas Forças Armadas que aderiram ao golpe de Camacho, e "sugeriram" que ele deixasse o cargo para supostamente "pacificar" o país.

104 visualizações

CONHEÇA A NOSSA LIVRARIA! COMPRE OS NOSSOS TÍTULOS!