Publicações e Posts


 

Esta é a seção de Postagens e Publicações, partilhadas pelos distintos sites vinculados ao Jornal A Pátria. Para retornar a seção ou blog que estava anteriormente, basta clicar nela abaixo (ou voltar no navegador):

Não é só Maduro, é também a China


A política americana de assédio e derrubada de Nícolas Maduro é geopoliticamente o segundo principal destinatário, a China. A crise que a Venezuela vive atualmente não apenas obedece a causas endógenas, mas também representa um pulso exacerbado que confronta os EUA com o gigante oriental. Na América Latina e no Caribe,


Washington passou da observação cuidadosa para o confronto aberto com Pequim, tendo em vista sua crescente presença na região. Na Venezuela, a Casa Branca envia uma mensagem forte a Pequim e representa um grave aviso aos países da região.

Baseando-se em grande parte dos governos progressistas da região, a inibição relativa da administração norte-americana, com outras prioridades em sua agenda-, as grandes necessidades da América Latina e seu interesse em diversificar os parceiros comerciais e os requisitos específicos da economia chinesa, Pequim deu um salto espetacular em suas relações com os países da América Latina e do Caribe.


A eclosão da crise econômica e financeira, a transição para um novo modelo de desenvolvimento na China e as dificuldades de sua economia e a sucessão de alternâncias em muitos governos conservadores na região abriu um período de incerteza. No entanto, Pequim deixou claro que seu compromisso na América Latina é estratégica e pragmática propondo a extensão da iniciativa da Strip e a rota para a região com uma agenda de compromissos que daria um grande impulso para o relacionamento não só com o comércio, mas com investimentos em todos os tipos de infra-estruturas (portos, estradas, caminhos-de-ferro, centrais hidroelétricas, etc.). Na maior parte, os governos da região aplaudiram essa atitude. Em 2018, o comércio bilateral da China com a América Latina atingiu um recorde de 307,4 bilhões de dólares, um aumento de 18,9%, confirmando-o como o segundo parceiro comercial da América Latina. Um total de 16 países da região assinaram memorandos de entendimento com a China para construir em conjunto a Faixa e a Rota. A China é o maior parceiro comercial do Chile, Argentina, Brasil e Peru.


A China conseguiu lidar com dificuldades, incluindo alternâncias. Experiência não está faltando. Lembre-se dos Chiles de Allende e Pinochet. E era o tempo de Mao. Mas mais uma vez, ameaçando desequilibrar esta marcha "triunfante" é a intervenção decisiva dos Estados Unidos, a fim de conter os seus rivais e preservar sua hegemonia na área. E irá defendê-lo com todos os meios à sua disposição. Ninguém duvida disso.


Em sua turnê em outubro passado na América Latina, o secretário de Estado, Mike Pompeo, disse em voz alta: todo mundo tem que "escolher um campo". O mesmo havia dito seu antecessor, Rex Tillerson, em sua visita à região em 2017, advertindo os países latino-americanos contra a possibilidade de fazer negócios com a China. A ruptura das relações com Taiwan de países como El Salvador, República Dominicana ou Panamá desencadeou os alarmes. Em setembro passado, os EUA convocaram seus embaixadores nos três países para consultas. Como diz o vice-presidente Pence, é hora de "agir".


China e Venezuela


Hugo Chávez encorajou a abordagem à China como um contrapeso aos Estados Unidos. Para tranquilizar a Casa Branca, Pequim sempre quis evitar esse jogo, evitando ideologizar seu relacionamento, confiando na administração dos interesses econômicos de ambas as partes. Entre 2003 e 2012, as trocas comerciais passaram de 800 milhões para 20 bilhões de dólares, tornando a Venezuela a quarta maior fornecedora de petróleo da China. Os empréstimos concedidos a Caracas pela China hoje somam cerca de 62 bilhões de dólares, representando 53% do total concedido à América Latina. A dívida de Caracas com a China atualmente é de 23 bilhões de dólares, 16,4% do total da dívida com o exterior.


Nos últimos dois anos, a China moderou seus compromissos com a Venezuela em vista das dificuldades de todos os tipos nas relações com seu governo, embora demonstre empatia e solidariedade. Na última viagem de Maduro à China, em setembro do ano passado, Pequim concedeu novo empréstimo e investiu mais nos depósitos Orinoco e Ayachuco, onde o CNPC estadual realizou desembolsos significativos.


A Venezuela hoje catalisa a feroz rivalidade estratégica entre os EUA e a China, mas não é o único caso relevante na região. O próximo ataque pode muito bem ser a estação espacial que a China construiu na Patagônia argentina, em Nauquén, em operação desde abril passado e que desempenhou um papel fundamental no recente pouso de uma espaçonave no lado escuro da Lua. Embora Pequim e Buenos Aires tenham dado garantias mútuas sobre a natureza civil e pacífica da instalação, o ruído da mídia relacionado ao seu suposto propósito militar está aumentando, com várias autoridades dos EUA alertando umas às outras sobre os perigos. dos "acordos chineses opacos e predatórios que minam a soberania das nações" ... A Agência Espacial Européia assinou um acordo similar com a Argentina em uma província vizinha ... Washington quer tirar a China da área e dificilmente irá parar até chegar lá.


Na Venezuela, o golpe na mesa dos EUA nada mais é do que um alerta para a China (como aconteceu na Líbia) e terá consequências para toda a região. Uma séria armação na Venezuela quer contradizer os planos de Pequim para toda a região dentro da estrutura dessa "extensão natural" da Iniciativa Faixa e Rota que coloca Washington tão nervosa. A crescente relevância da China em seu "quintal" é fatal. A doutrina de Monroe retorna por seu estatuto e os países da área devem retornar ao redil. Pequim não deixou de lado nem deixou desta vez que Putin expressou opiniões de que prefere o silêncio.


Ele mostrou seu apoio a Maduro, apelou para o diálogo e condenou a interferência externa, mas é para ser visto que é o suficiente.


Por Xulio Ríos


Diretor do Observatório da Política Chinesa

53 visualizações

CONHEÇA A NOSSA LIVRARIA! COMPRE OS NOSSOS TÍTULOS!