CONHEÇA A NOSSA LIVRARIA! COMPRE OS NOSSOS TÍTULOS!

Publicações e Posts


 

Esta é a seção de Postagens e Publicações, partilhadas pelos distintos sites vinculados ao Jornal A Pátria. Para retornar a seção ou blog que estava anteriormente, basta clicar nela abaixo (ou voltar no navegador):

O grande paradoxo trabalhista americano: empregos abundantes e a maioria deles ruins

Os Estados Unidos alardeia aos quatro cantos a menor taxa de desemprego da história. Mas o que se enconde por trás desta estatística pretensamente favorável são postos de trabalhos mal remunerados e em condiçoes péssimas.

Quem afirma isto não é nenhum orgão socialista, mas, sim, um orgão norte americano privado que mede o Índice de qualidade do trabalho nos Estados Unidos, e por este índice o país se encontra no maior nível de postos de trabalho em condições de subemprego de sua história.



Os números nos contam uma história. O desemprego nos EUA é o mais baixo em 50 anos. Mais americanos têm empregos do que nunca. O crescimento dos salários continua subindo.


Mas as pessoas contam uma história diferente. Uma longa procura por trabalho, dificuldades em encontrar trabalhos com salários decentes e falta de horas previsíveis.


É difícil conciliar estes números com a expansão econômica recorde e o robusto mercado de trabalho descrito nas principais estatísticas. Dito de outra forma, quando você compara a realidade vivida com os dados logo fica claro que algo grande está se perdendo na tradução. Mas uma equipe de pesquisadores acha que pode ter descoberto a Pedra de Roseta do mercado de trabalho dos EUA.


Recentemente, eles revelaram que o Índice de Qualidade do Trabalho do Setor Privado dos EUA (ou JQI em inglês) é um novo indicador mensal que visa rastrear a qualidade dos empregos em vez de apenas sua quantidade. O JQI mede a proporção do que os pesquisadores chamam de trabalhos de "alta qualidade" versus "baixa qualidade" com base no fato de o trabalho oferecer mais ou menos que a renda média.


Uma leitura de 100 significa que há um número igual dos dois grupos(qualidade x quantidade), enquanto algo menor implica trabalhos de qualidade relativamente inferior. Aqui está o que parece:


Índice de qualidade do trabalho nos Estados Unidos

Então, o que essa coisa nova nos diz? Atualmente, o JQI tem apenas 81, o que implica que existem 81 empregos de alta qualidade para cada 100 empregos de baixa qualidade. Embora esta seja uma pequena melhora em relação ao início de 2012, ainda está muito abaixo de 2006 na véspera do colapso do mercado imobiliário, quando a economia apoiou regularmente cerca de 90 bons empregos por 100 ruins.

Ou, em inglês mais claro, o mercado de trabalho dos EUA está longe de estar totalmente recuperado da Grande Recessão. De fato, a tendência de longo prazo na balança de empregos representa um quadro mais ameaçador.


"O problema é que a qualidade do estoque de empregos oferecidos vem se deteriorando nos últimos 30 anos", diz Dan Alpert, banqueiro de investimentos e professor da Cornell Law School que ajudou a criar o índice. Juntamente com Alpert, o índice é construído e mantido por pesquisadores da Cornell University Law School, da Coalition for a Prosperous America, da University of Missouri-Kansas City e do Global Institute for Sustainable Prosperity. A "história toda" contada pelo índice, ele acrescenta, é "a desvalorização do trabalho americano".


O quão baixo pode ficar?


Para entender o significado do JQI, vale a pena entender como ele é feito. Os pesquisadores registram empregos não administrativos do setor privado - que representam 82% de todos os empregos do setor privado - e os dividem em dois grupos: os empregos de "alta qualidade", que pagam mais do que o salário médio semanal e tendem a ter mais horas por semana, e os de "baixa qualidade" que pagam menos e oferecem menos horas. O índice é uma proporção ponderada dos dois, calculada a média dos três meses anteriores para reduzir os desvios.


A prevalência de empregos de baixa qualidade sugere que há ainda muita folga no mercado de trabalho, ou seja, as pessoas podem estar trabalhando mais ou usando suas habilidades mais completas do que atualmente. É praticamente a conclusão oposta que você tiraria da taxa de desemprego ultra baixa, números robustos de criação de empregos e outros dados convencionais.


Desemprego nos Estados Unidos é o mais baixo em 50 anos

É por isso que, a partir do próximo mês, o JQI será divulgado no mesmo dia que os dados mensais de empregos publicados pelo Bureau of Labor Statistics. A esperança é oferecer aos formuladores de políticas uma imagem mais granular da saúde econômica dos Estados Unidos, diz Alpert.


Tomemos, por exemplo, o Federal Reserve. "Se eles tivessem visto o mercado com essas lentes, talvez não tivessem [começado a aumentar as taxas de juros em 2018]", diz Alpert. “Esse é o tipo de formulador de políticas que estamos tentando abordar. É uma verificação da realidade dos dados convencionais. ”


A mudança da América à uma economia de péssimos empregos


Desde 1990, os EUA adicionaram cumulativamente cerca de 20 milhões de empregos de baixa qualidade, contra cerca de 12 milhões de empregos de alta qualidade. Em resumo, a economia dos EUA mudou para criar mais empregos ruins do que bons.


Novos empregos líquidos criados nos Estados Unidos por tipo( baixa qualidade x alta qualidade)

Isso tem implicações significativas para a economia. Por exemplo, a renda ajustada pela inflação para trabalhadores com empregos de alta qualidade cresceu a um ritmo mais acelerado do que para trabalhadores com empregos de baixa qualidade.


Esse ponto pode parecer um pouco tautológico, afinal, a definição de “alta qualidade” dos pesquisadores repousa em salário semanal médio, que é um grande fator na determinação da renda. No entanto, o crescimento salarial não é o que realmente está levando a esta divergência. Pelo contrário, é uma divisão acentuada nas horas trabalhadas. Os que trabalham em baixa qualidade agora registram meras 30 horas por semana, em média, abaixo dos 31 em 1999 . Isso se compara a uma média de 38 horas por semana em empregos de alta qualidade.


Individualmente, esse intervalo de sete horas pode não parecer muito. Agora, adicione mais, e revelará a impressionante escala do problema de "subemprego" da América. Se o trabalho médio de baixa qualidade ofereceu o mesmo número de horas que o trabalho típico de alta qualidade, ele contabiliza cerca de 480 milhões de horas por ano. Essas horas não trabalhadas - representando trabalho que poderia ter contribuído para a economia dos EUA - representam cerca de 12 milhões de empregos perdidos a cada ano.


Obviamente, parte desse declínio pode ser devido a trabalhadores que buscam reduzir suas horas voluntariamente. Outro motivo importante é que, às vezes, os empregadores limitam as horas para não ter que pagar benefícios (um problema que, aliás, os trabalhadores europeus também enfrentam ).


No geral, o déficit de horas trabalhadas reflete um problema muito maior. A parcela crescente de empregos que oferecem renda abaixo da média significa que o crescimento do emprego, refletido por uma taxa de desemprego super baixa, implica cada vez menos poder de compra do que no passado. "À medida que você cria esses empregos em áreas de menor qualidade", diz Alpert, a economia ganha "muito menos dinheiro".


A dramática ascensão e queda de algumas indústrias importantes coloca esse ponto em foco.


O colapso da indústria nos Estados Unidos


Durante a segunda metade do século XX, a indústria dos EUA foi responsável por cerca de 12,8 milhões de empregos na produção. Então, de repente, os Estados Unidos começou a sofrer hemorragias das fábricas. Em 2010, o número havia diminuído para os níveis vistos pela última vez em 1939, quando a população dos EUA tinha dois quintos do seu tamanho atual. Embora tenha se recuperado um pouco desde então, os postos de trabalho nas indústrias ainda caiu mais de um quarto desde 2000.


Trabalhos não-gerenciáveis nas indústrias dos Estados Unidos

Quase todos os empregos perdidos no setor da produção, dizem os pesquisadores do JQI, foram substituídos por apenas quatro setores do setor de serviços: varejo, administração e serviços de resíduos, saúde, lazer e hospitalidade. Em todos esses setores, predominam os empregos com renda abaixo da média.


"Se você viaja pelo país e em áreas industriais, não é difícil encontrar em um restaurante alguém que já foi operário", diz Jeffrey Ferry, economista da Coalition for a Prosperous America, um grupo apartidário que representa os interesses da mão-de-obra manufatureira.

Trabalhos na indústria são bons para as economias. Por um lado, eles tendem a pagar bem e a oferecer horários fixos e não apenas por causa dos sindicatos, mas porque produzem muito valor. A mecanização aumenta o valor do trabalho das pessoas, permitindo que elas produzam muito mais do que poderiam. No grande esquema das coisas, esse aumento da produtividade - a capacidade de produzir mais e mais rapidamente - é o que impulsiona o crescimento a longo prazo e, finalmente, eleva o padrão de vida das pessoas.


Obviamente, a tecnologia também pode aumentar a produtividade humana em empregos no setor de serviços. Por exemplo, como os computadores permitem que os banqueiros processem pagamentos muito mais rapidamente do que quando os cheques eram feitos à mão. Portanto, pode não importar se os empregos perdidos nas fábricas foram substituídos por empregos no setor de serviços de alta tecnologia - a “economia do conhecimento” e tudo mais.


Mas, infelizmente, este não foi o caso. Esperando mesas, vendendo sapatos, limpando o chão. Não há muita tecnologia para melhorar o trabalho humano necessário para essas tarefas. Assim, tudo o mais é igual, a troca de uma vaga nas fábricas por um desses empregos retira o aumento de valor tecnológico dos esforços de uma pessoa e, em conjunto, deixa a economia produzindo menos do que poderia. E, de fato, o lento crescimento da produtividade do trabalho desde o final da Grande Recessão acompanha a tendência no JQI (embora ainda não haja dados suficientes para determinar algo conclusivo).


Com uma parcela crescente de empregos produzindo menos valor do trabalho humano, não surpreende que mais trabalhadores obtenham rendimentos abaixo da média. O problema é que os trabalhadores também são consumidores. Quanto menos ganham, menos conseguem gastar, mais pobres ficam e mais economizam. Isso explica como o JQI pode ajudar a explicar por que a taxa de desemprego pode cair para níveis quase recordes sem impulsionar um crescimento mais rápido e aumentar a inflação.


O que é pior, essa dinâmica se reforça. Gastos menores desencorajam as empresas a investir em novos equipamentos ou tecnologias. À medida que a renda estagna, os trabalhadores ficam cada vez mais desesperados e aceitam salários mais baixos. A combinação de mão de obra barata e demanda cada vez mais instável leva as empresas a substituir empregos de alta qualidade por empregos de baixa qualidade, fazendo com que a própria economia perca vitalidade. Quanto mais isso acontece, mais difícil é voltar, porque, eventualmente, a estrutura da própria economia impede a demanda de recuperar o crescimento.


A chave para entender como escapar desse ciclo de feedback perigoso, diz Alpert, é entender o que começou tudo isto.


Um golpe duplo devastador


Em 20 de janeiro de 1981, em sua primeira vez como novo presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan proferiu uma de suas frases mais famosas: “O governo não é a solução para o nosso problema; o governo é o problema". Mais do que simplesmente uma linha memorável, essas palavras se tornaram uma ideologia inteira. é o que Alpert argumenta estar subjacente a muitos dos problemas econômicos atuais.


O surgimento dessa visão de mundo anulou o papel tradicional do governo dos EUA de apoiar a demanda e investir no aumento da produtividade (uma autoridade que ainda precisa recuperar). A infraestrutura da América sofreu um grande golpe. Os danos começaram a aparecer já nos anos 90, quando o déficit de infraestrutura dos EUA começou a surgir, diz Alpert. Os empregos que constroem e mantêm essa infraestrutura há muito tempo oferecem empregos remunerados e em tempo integral para aqueles que poderiam ter dificuldade em encontrar trabalho decente, e é por isso que ele suspeita que essa seja uma das principais razões para o declínio constante do JQI.


Por mais imprudente que tenha sido essa aversão aos gastos públicos, o momento dessa mudança foi tragicamente malsucedida, coincidindo com algo sem precedentes na história humana.


O golpe inicial veio dos tigres asiáticos - Coréia do Sul, Taiwan, Hong Kong e Cingapura - que surgiram como potências industriais no final dos anos 80 e início dos anos 90. Então, após um trio de eventos - a queda do Muro de Berlim, a Praça da Paz Celestial e as amplas reformas econômicas da Índia - a abertura da Europa Oriental, China e Índia adicionou mais de um bilhão de trabalhadores à mão-de-obra mundial sob um único sistema capitalista global (dependendo de como você os conta; Alpert o aproxima de 3,5 bilhões). Essa "grande duplicação" da força de trabalho global, como escreveu o economista de Harvard Richard Freeman em 2006 (pdf), “apresentou à economia dos EUA o seu maior desafio desde a Grande Depressão.” Além disso, as economias avançadas experimentaram um aumento constante de mulheres que se uniram à força de trabalho ao longo das décadas de 1980 e 1990.


Ao mesmo tempo, uma série de acordos de comércio e investimento liderados pelos EUA - mais notavelmente, normalizando permanentemente as relações comerciais com a China em 2001 - levantaram as comportas do investimento estrangeiro. À medida que as empresas americanas mudavam as fábricas para o exterior em massa, o emprego na indústria americana implodia. Embora muitos políticos , economistas e mídia ainda argumentem que a automação, e não o comércio, causou a maior parte desse colapso, a pesquisa da economista Susan Houseman mostra que o comércio era realmente o principal fator.


Isso já seria ruim o suficiente. Mas sem os gastos públicos para substituir os empregos perdidos de alta qualidade, a mistura de empregos mudou tão severamente que mesmo taxas de desemprego quase recorde não são suficientes para reviver o antigo poder da economia americana.



Índice de qualidade do trabalho nos Estados Unidos em vários acontecimentos no campo econômico mundial

Tempo de qualidade


Muitos pensam que o "choque na China" terminou misericordiosamente, masAlpert não. "Ainda estou vendo bilhões de pessoas que não estão urbanizadas em todo o mundo que continuarão pressionando o trabalho global", diz ele. Então, o que pode ser feito para reativar a criação de empregos de alta qualidade? Existem duas abordagens possíveis, diz ele. O primeiro é o protecionismo e outras medidas mais do lado da oferta - basicamente, o caminho que Donald Trump adotou (isso inclui suas guerras comerciais, sua conta de impostos e, em menor grau, desregulamentação).


Como você pode ver no gráfico acima, as políticas do presidente - ou, talvez, em alguns casos, a confiança em suas políticas - conseguiram derrotar o JQI em três pontos distintos desde que Trump venceu a eleição. Mas esses efeitos foram fugazes, provavelmente porque o problema não é que as empresas tenham muito pouco dinheiro para gastar. Pelo contrário, a falta de demanda não lhes dá boas razões para gastá-lo.


Isso nos leva à segunda opção: valorizar o papel tradicional do governo como criador da demanda. E o ingresso aqui, argumenta Alpert, é um aumento grande e sustentado nos gastos com infraestrutura.


Considere o salto relacionado à bolha imobiliária no JQI em meados dos anos 2000. Isso foi em grande parte impulsionado pelo aumento nos gastos com construção. E, com certeza, construir McMansions em subúrbios vazios nunca seria terrivelmente produtivo a longo prazo. Mas é uma história diferente com novas pontes e ferrovias. Esses tipos de projetos tendem a aumentar a produtividade geral, tornando mais fácil e barato o deslocamento do capital pela economia. E, é claro, eles também exigem que o vasto e negligenciado grupo de trabalhadores desesperados dos Estados Unidos faça melhor uso.




Por Gwynn Guilford


Traduzido por Léo Camargo do Website do Quartz