Publicações e Posts


 

Esta é a seção de Postagens e Publicações, partilhadas pelos distintos sites vinculados ao Jornal A Pátria. Para retornar a seção ou blog que estava anteriormente, basta clicar nela abaixo (ou voltar no navegador):

Protestos na França: mulher de 80 anos morta em Marselha

Uma mulher de 80 anos morreu após ser atingida por uma bomba de gás lacrimogêneo.

Uma mulher de 80 anos morreu após ser atingida por uma bomba de gás lacrimogêneo em sua janela durante os protestos contra alta do combustível, no sábado, realizado na cidade francesa de Marselha.


A mulher, que morava em um apartamento perto de onde os protestos estavam ocorrendo, foi atingida no rosto ao fechar as cortinas venezianas.


Os protestos em torno do imposto sobre o combustível se transformaram em raiva generalizada devido ao aumento dos custos de vida.


A mulher foi levada para o hospital, mas morreu durante uma operação depois de sofrer o choque, informou a mídia local.


Três outras pessoas foram mortas nos protestos desde que as manifestações começaram há mais de duas semanas, informou a polícia no domingo.


O Ministério do Interior da França disse que cerca de 136 mil pessoas participaram dos protestos em todo o país no domingo, demonstrando amplo apoio ao movimento conhecido como "gilets jaunes" (coletes amarelos), que reclamam de um aumento acentuado nas taxas de combustível. durante os protestos de combustível de sábado na cidade francesa de Marselha.


A mulher, que morava em um apartamento perto de onde os protestos estavam ocorrendo, foi atingida no rosto ao fechar as venezianas.


Os protestos em torno do imposto sobre o combustível se transformaram em raiva generalizada por maiores custos de vida.


A mulher foi levada para o hospital, mas morreu durante uma operação depois de sofrer um choque, informou a mídia local.


Três outras pessoas foram mortas nos protestos desde que as manifestações começaram há mais de duas semanas, informou a polícia, no domingo.


O Ministério do Interior da França disse que cerca de 136 mil pessoas participaram dos protestos em todo o país no domingo, demonstrando amplo apoio ao movimento conhecido como "gilets jaunes" (coletes amarelos), que reclamam de um aumento acentuado nas taxas de combustível.


Anne Hidalgo, a prefeita de Paris, disse à imprensa francesa que ela estima que os protestos de sábado causaram entre 3 e 4 milhões de euros (R $ 6,5 milhões) e danos no valor de 3,4 a 4,5 milhões de dólares. O grupo cancelou uma reunião planejada com o primeiro-ministro Edouard Philippe, marcada para terça-feira. O correspondente da BBC em Paris, Hugh Schofield, disse que os membros mais moderados do movimento, que disseram estar preparados para falar, estão sendo criticados por elementos mais extremos e estão recebendo ameaças de morte. Um porta-voz do movimento "colete amarelo", Christophe Chalençon, pediu que o governo renuncie na segunda-feira, para ser substituído pelo que ele chamou de "um verdadeiro comandante, como Gen de Villiers". Gen Pierre de Villiers é um ex-chefe das forças armadas francesas que se demitiu depois de um confronto com o presidente Emmanuel Macron por cortes orçamentários.


Como o governo respondeu? O presidente francês realizou uma reunião de segurança urgente na segunda-feira. Os ministros disseram que, embora nenhuma opção tenha sido descartada, a imposição do estado de emergência não foi discutida durante as negociações. O primeiro-ministro Edouard Philippe também falou com os líderes da oposição na segunda-feira.

Marine Le Pen (concorrente de Macro na última eleição), que estava na reunião, advertiu que o Sr. Macron poderia se tornar o primeiro presidente a dar a ordem de abrir fogo contra seu próprio povo em 50 anos. Ela disse que ele deve eliminar os aumentos no preço do combustível, diminuir os preços do gás e da eletricidade e acabar com o congelamento do salário mínimo e pensão mínima. O ministro das Finanças, Bruno Le Maire, reuniu-se com representantes de empresas para avaliar os danos causados ​​às empresas no fim de semana. "O impacto é severo e contínuo", disse Le Maire à agência de notícias AFP. Alguns varejistas viram as vendas caírem cerca de 20-40% durante as manifestações, enquanto alguns restaurantes perderam 20-50% de suas receitas, acrescentou.


Os protestos mostram algum sinal de parada? Os protestos continuaram na segunda-feira. Cerca de 50 "coletes amarelos" bloquearam o acesso a um importante depósito de combustível no porto de Fos-sur-Mer, perto de Marselha, e postos de gasolina em todo o país ficaram sem combustível. Restrições foram postas em prática na Bretanha sobre a quantidade de gasolina que os motoristas podem comprar. Estudantes em cerca de 100 escolas secundárias em todo o país realizaram manifestações contra reformas educacionais e de exames.


Mais informações


Também na segunda-feira, motoristas franceses de ambulâncias privadas realizaram mais manifestações contra uma série de reformas na seguridade social e na saúde que, segundo eles, podem afetar seus serviços. Dezenas de caminhões formaram um bloqueio da Place de la Concorde de Paris para a Assembléia Nacional Francesa. Um manifestante disse à agência de notícias Reuters: "[As reformas] nos espancarão financeiramente e destruirão nossas empresas. Vamos ter que demitir pessoas, com certeza." Não está claro se os grupos de estudantes e profissionais de saúde se alinharam diretamente com os "coletes amarelos". Um membro do movimento, um homem na faixa dos 20 anos, está em estado crítico no hospital de Toulouse.


BBC de Londres

19 visualizações

CONHEÇA A NOSSA LIVRARIA! COMPRE OS NOSSOS TÍTULOS!