Publicações e Posts


 

Esta é a seção de Postagens e Publicações, partilhadas pelos distintos sites vinculados ao Jornal A Pátria. Para retornar a seção ou blog que estava anteriormente, basta clicar nela abaixo (ou voltar no navegador):

Rap e Consciência de Classe

(Hugo Alves, 9 de julho de 2018).

O rap, historicamente, é um estilo musical muito voltado para a crítica aos problemas sociais, como desigualdade, racismo, criminalidade etc. De fato, no início, ele foi criado para animar festas em bairros jamaicanos, contudo, já nessa mesma época, os chamados “toasters” (mestres de cerimonia dessas festas) já abordavam assuntos relacionados a problemas sociais.


Após a emigração de muitos jamaicanos para os EUA, devido a uma grave crise econômica e social que atingiu a Jamaica, o rap começou a se propagar nos EUA, e foi aí que os temas relacionados a pobreza e problemas sociais em geral se tornaram preponderantes dentre os compositores desse ritmo musical.


Como se sabe, o mundo está imerso em uma ordem societária extremamente exploratória e desigual, e portanto o rap nada mais é do que o reflexo dessa sociedade. Marx, Lukács e outros autores marxistas já preconizavam que as ideias, de uma forma bem genérica, são reflexo das relações materiais existentes nas quais os indivíduos estão inseridos, ou seja, as condições materiais da sociedade condicionam os indivíduos a pensarem e agirem de determinadas formas, e incluso em uma dessas formas de pensar e agir, dentre outras várias espalhadas pela literatura, música, arte, e da cultura de uma forma geral, está o rap, que passa a ser a simbolização abstrata dessa sociedade no sentido critico, isto é, passa a ser uma espécie de instrumento cultural e musical que relata o que há de pior na sociedade regida pela lógica reprodutiva do capital, mergulhada em contradições sociais.


Nos EUA, grupos e artistas autônomos de rap representavam nos anos 80/90 e representam até hoje essa manifestação muito bem, como Public Enemy, NWA, Wu Tang Clan etc. No resto do mundo também existem muitos artistas com conteúdos líricos voltados para problemas sociais, como Keny Arkana na França, Valete em Portugal, entre outros. De fato há outros temas tratados no rap, porém o que domina é o relacionado às mazelas sociais. No Brasil também há muitos rappers e grupos que compõe letras associadas à violência, tráfico, pobreza etc, sendo o mais notório deles o Racionais MC’s, mas tendo também Facção Central, A286, RZO, Atitude Consciente, MPC 288, dentre vários outros.


Alguns desses grupos são extremamente “cruéis” e realistas em suas respectivas letras, como é no caso do grupo “Facção Central”, que chegou a ter o clipe “Isso aqui é uma Guerra” censurado há alguns anos atrás, acusado de fazer apologia ao crime, sendo que ele apenas mostrava artisticamente a sociedade tal como ela é nas favelas e em outras regiões onde impera a pobreza, fome, falta de saúde e educação de qualidade, etc. Inclusive, um ex-integrante do grupo, o Eduardo Taddeo, ao ser questionado em relação ao pouco investimento que há no rap periférico brasileiro, em uma entrevista, ele responde que “representamos o perigo para o sistema. Nós estamos falando justamente aquilo que a sociedade não quer ouvir”. Ele também possui dois livros, “A Guerra Não Declarada Na Visão De Um Favelado” parte 1 e parte 2.


É evidente que esses rappers e grupos de rap não possuem muita notoriedade no campo midiático, visto que a mídia se configura como um dos principais instrumentos burgueses de dominação ideológica, já que para a burguesia manter sua ordem sócio-econômica e sua dominação de classe sobre os trabalhadores, precisa criar concepções de mundo que correspondam a tal mantimento, de modo que mistifique a realidade social e faça com que a população explorada fique anestesiada e inerte perante a sua própria exploração. Por isso que uma música com letras vulgares e superficiais (não há a necessidade de citação de estilos musicais porque isso é relativo, uma vez que praticamente todos os estilos, inclusive o rap, possuem músicas do tipo) são bem mais divulgadas do que letras críticas e profundas sobre a situação que o Brasil e o mundo se encontram há décadas.


Um exemplo disso é no interior do próprio rap, que nos últimos tempos se tornou um estilo musical mais conhecido simplesmente por ser constituído por rimas (que muitas vezes são vazias), flow e beat, como se congregar palavras semelhantes de diferentes significados, em uma música completamente desprovida de nexo e descontextualizada, representasse o que o rap é em sua essência. Ou seja, o rap, preponderantemente, apesar de ainda haver muitos rappers da época mais antiga, se tornou justamente um estilo musical que condiz com os interesses burgueses, no sentido de que não procura demonstrar através da música uma perspectiva crítica da sociedade regida pelos interesses dos grandes capitalistas, mesmo que indiretamente.


Atualmente muitos grupos de rap, com músicas extremamente realistas, são desconhecidos entre a população, mesmo que relatem de forma precisa e critica a realidade social produto da lógica do capital. As mulheres também estão intensivamente presentes nesse gênero de rap, como o grupo “Atitude Feminina”, a “Karol Colombiana”, ex integrante do grupo “Realidade Cruel”, a já falecida “Dina Di”, considerada a maior rapper brasileira que já existiu, dentre várias outras. Infelizmente também são igualmente ignoradas no cenário midiático, repleto de músicas que mais parecem uma espécie de patologia cultural.


Assim como há essas manifestações críticas da realidade social, há também aqueles que, além de serem críticos, possuem uma consciência de classe mais avançada, e propagam a ideologia do proletariado, como no caso do Pablo Hasel, um rapper comunista espanhol que recentemente foi condenado a vários anos de prisão, acusado de enaltecer o terrorismo e fazer injúrias e calúnias contra as instituições burguesas. No Brasil, grupos como Gíria Vermelha, Ameaça Vermelha, Liberdade e Revolução etc, são exemplos de grupos constituídos por marxistas conscientes de como funciona a sociedade brasileira e o capital de uma forma geral. Obviamente, como foi comentado acima, poucas pessoas conhecem esse tipo de manifestação artística e artistas associados á mesma, visto que as ideias dominantes de uma época são as ideias da classe dominante, e como o rap com essa qualidade musical expressa justamente o oposto dos interesses burgueses, não são tão divulgados. Pelo contrário, são combatidos.


Dessa maneira, o rap que exprime esse conteúdo lírico deve ser considerado um instrumento crítico e verdadeiro da realidade, bem como um conscientizador das massas oprimidas, contrapondo assim as concepções mistificadas das ideias burgueses, que sempre têm como objetivo último mascarar a luta de classes e a exploração inerente para a acumulação do capital por parte da classe reacionária dominante. Por fim, deixamos aqui músicas de grupos e rappers autônomos que mostram o que foi dito nesse texto:


Hugo Alves

LINKS:


Arma da Crítica – Amarildos: https://m.youtube.com/watch?v=n9pAZFVE1ZA


A286 – Enquanto houver motivo: https://www.youtube.com/watch?v=qYvEwoBR64Q


Atitude Feminina – Dia de Finados: https://www.youtube.com/watch?v=P4CddSfBNmI


MV Bill – Brado Retumbante: https://www.youtube.com/watch?v=tM9vFzz8TI0


Liberdade e Revolução – Fim de Festa: https://www.youtube.com/watch?v=PNLq5zmmMx0


Ameaça Vermelha – Resposta à Chacina de Pau D’Arco: https://www.youtube.com/watch?v=z5e7muLMQPA


Gíria Vermelha – Não mais: https://www.youtube.com/watch?v=mJFHTz1LY3Q


Eduardo – Substância Venenosa: https://www.youtube.com/watch?v=CAE-_DPaG0E


Facção Central – Isso aqui é uma Guerra: https://www.youtube.com/watch?v=dXbpOiEHQhA


Total Drama – Rato Cinza: https://www.youtube.com/watch?v=DtLnayD1Q9g


Realidade Cruel – Censuras: https://www.youtube.com/watch?v=0gpw-OOWGJA


Thiagão part. Atitude Consciente – Perigo Constante: https://www.youtube.com/watch?v=4vDZAH9Ko2A

6 visualizações

CONHEÇA A NOSSA LIVRARIA! COMPRE OS NOSSOS TÍTULOS!