Publicações e Posts


 

Esta é a seção de Postagens e Publicações, partilhadas pelos distintos sites vinculados ao Jornal A Pátria. Para retornar a seção ou blog que estava anteriormente, basta clicar nela abaixo (ou voltar no navegador):

Só 4 das 50 imagens mais replicadas na eleição no WhatsApp são verdadeiras

Grupo analisou mensagens trocadas no aplicativo e cobra ações da empresa.

Imagem com Dilma Rousseff ao lado de Fidel Castro na Revolução Cubana é uma montagem replicada em grupos de WhatsApp - Reprodução

Um estudo em conjunto da USP, UFMG e da Agência Lupa analisou o grau de veracidade de 50 imagens que mais circularam em grupos de WhatsApp entre os dias 16 de agosto e 7 de outubro de 2018, período de campanha do primeiro turno das eleições. Segundo o levantamento, apenas quatro imagens eram verdadeiras.


O estudo usou como base um levantamento feito com 347 grupos públicos de discussão política no WhatsApp, monitorados pelo projeto Eleições sem Fake, mantido pela UFMG. Nesses grupos públicos, 18.088 usuários postaram 846.905 mensagens. Dentre elas, 107.256 eram imagens; 71.931 eram vídeos; 13.890, áudios; 562.866, mensagens de texto e 90.962, links externos”.

Imagem de FHC e Lula juntos é verdadeira, mas foi compartilhada com texto em que diz que eles encontravam para assaltar bancos, o que é mentira - Reprodução

O grupo que coordenou o estudo sugere três ações específicas que poderiam ser tomadas pela empresa: restringir o número de vezes que uma única mensagem pode ser replicada, restringir o número de destinatários para quem uma mensagem pode ser enviada e aumentar o limite do número de usuários em cada grupo— hoje são 256.


Procurado pela Folha, o WhatsApp não se pronunciou até a publicação dessa reportagem.

Em artigo publicado na Folha, o vice-presidente do WhatsApp, Chris Daniels, afirmou que a empresa está tomando providências contra o uso do aplicativo para disseminação de fake news.


O texto não cita nem tem relação com o estudo crítico ao WhatsApp divulgado nesta quarta. Entre as ações que a empresa diz estar tomando, cita a remoção “de milhares de contas por spam” e que incentivou a “iniciativas de checagem de fatos no Brasil”.


Folha de S. Paulo

42 visualizações

CONHEÇA A NOSSA LIVRARIA! COMPRE OS NOSSOS TÍTULOS!