Publicações e Posts


 

Esta é a seção de Postagens e Publicações, partilhadas pelos distintos sites vinculados ao Jornal A Pátria. Para retornar a seção ou blog que estava anteriormente, basta clicar nela abaixo (ou voltar no navegador):

Zhou Xincheng: Como estudar os clássicos do marxismo? (tradução de Gabriel Martinez)

As tendências de pensamento que se aproximam do revisionismo ou do dogmatismo na China, por entre outras razões, portam-se assim também pela forma equivocada como leem os clássicos.


O economista chinês Zhou Xincheng faz um balanço sobre como essas correntes de pensamento se portam na China e levanta como devemos realmente ler os clássicos do marxismo, tal como Marx, Engels, Lênin, Stálin e o próprio Mao Tsé-Tung.


O artigo foi uma tradução de Gabriel Martinez para o Observatório do Marxismo na China, feita diretamente do mandarim para o português.

Somente através estudo das obras clássicas do marxismo e dominando as leis do desenvolvimento social poderemos manter nossa firmeza política. Ao estudarmos as obras clássicas, devemos ter consciência dos problemas e estudarmos com o propósito de resolvermos os problemas. Se nós não pudermos responder questões [e problemas], nosso estudo será ineficaz. Nós devemos aderir ao princípio de combinarmos o marxismo com a realidade da China. Ao estudarmos as obras clássicas, a coisa mais importante é dominar bem os princípios básicos do marxismo, e aí então tirarmos novas conclusões baseadas na realidade concreta. Desenvolver o marxismo não é negar os seus princípios básicos, mas sim utilizá-los para resolvermos novos problemas. Nós devemos aprofundar o nosso entendimento dos clássicos através da luta contra todos os tipos de pensamentos errôneos.


O marxismo é um amplo, profundo, rigoroso e científico sistema teórico. Lenin disse que o movimento espontâneo dos trabalhadores não poderia produzir o marxismo. O marxismo está condensado nas obras de Marx, Engels, Lenin, Stálin, Mao e outros mentores revolucionários. Apenas estudando cuidadosamente os clássicos podemos dominar o Marxismo. Em 2012, ao inspecionar o Centro de Pesquisa de “O Capital” na Universidade do Povo da China, Xi Jinping destacou a importância da leitura dos clássicos do Marxismo.


Por que devemos ler os clássicos, como ler os clássicos, são importantes questões que se colocam diante de nós. Eu gostaria de fazer alguns comentários sobre isto tendo como base minha própria carreira acadêmica.


1°) A firmeza política vem da firmeza teórica.


Em uma aula para quadros jovens e de meia-idade, Xi Jinping afirmou:

A firmeza política e o espírito de Partido não podem estar separados da firmeza teórica. [1]

Estudar os clássicos do marxismo e compreender os seus princípios básicos é uma condição fundamental para mantermos a firmeza política frente a uma complicada situação doméstica e internacional. Se nós não entendemos o marxismo e as leis do desenvolvimento social, nós vacilaremos frente as tempestades políticas e estaremos perdidos.


Eu experimentei isso pessoalmente. Durante um longo tempo eu estive engajado no estudo de questões soviéticas. Em 1964, o Comitê Central decidiu estabelecer o Instituto de Estudos da União Soviética e Leste Europeu na Universidade do Povo da China. Naquela época eu fui transferido para este instituto, ficando nele até 2002. Eu passei os meus mais energéticos anos estudando questões soviéticas. Quando no final dos anos 80 e começo dos anos 90 ocorrem as mudanças drásticas na União Soviética e no Leste Europeu, muitas pessoas ficaram perplexas: um grande número de países socialistas mudou de cor. Terá o socialismo futuro? O marxismo não havia previsto que o capitalismo iria morrer e o socialismo vencer? Alguns até se perguntavam: por quanto tempo poderá a China manter a bandeira vermelha? Um sentimento de confusão, vacilação e perplexidade prevalecia, e muitos perderam a confiança no socialismo. A opinião pública foi inundada com opiniões que elogiam o capitalismo e a criticam o socialismo. Como Fukuyama afirmou, era o fim da história. O socialismo era uma espécie de névoa na história. Em uma situação onde o socialismo estava em baixa, isso era em certa medida inevitável.


Naquela época, eu fui à uma universidade falar sobre a União Soviética e afirmei que os acontecimentos no Leste Europeu eram apenas complicações no processo de desenvolvimento histórico do socialismo, que não podia alterar a inevitável tendência de o socialismo substituir o capitalismo. O chefe de Departamento de Marxismo-Leninismo da universidade me perguntou: como eu podia acreditar que o socialismo iria vencer, sendo que apenas alguns países socialistas haviam restado no mundo? De onde vinha minha confiança? Naquela época eu respondi: adquiri esta confiança lendo “O Capital”.


Em 1956 eu fui admitido no Departamento de Economia da Universidade do Povo da China para o curso de Economia Política. Naquela época, havia uma forte atmosfera de leitura dos clássicos do marxismo nas escolas, e todos estudavam com grande vontade. Sob a influência deste tipo de atmosfera, eu li “O Capital” cuidadosamente. Eu tinha na memória quase todas as passagens importantes da obra. Posso falar que esse período me influenciou por toda a vida. Eu havia sido completamente convencido pela lógica presente em “O Capital”. A natureza científica das análises de Marx é convincente. Marx apresentou a chamada “duas inevitabilidades”, falando sobre a inevitabilidade da vitória do socialismo e a inevitabilidade da derrota do sistema capitalista. Elas estão baseadas na ciência e não nos bons desejos ou na racionalidade humana, como pensavam os socialistas utópicos. Estão de acordo com a lei objetiva revelada pelo materialismo histórico, de que as relações de produção devem corresponder a natureza das forças produtivas, conclusão que ele chegou ao analisar as contradições reais do capitalismo. Com o desenvolvimento do capitalismo, a acumulação do capital e a concentração da produção, esta se torna cada vez mais social. Forças produtivas com tal natureza requerem objetivamente que os meios de produção sejam posse social, e a operação e regulação da economia seja realizada de acordo com os interesses de toda a sociedade. Porém, na sociedade capitalista os meios de produção são propriedade dos capitalistas. O propósito da produção é buscar a mais-valia. Dessa forma, há uma contradição entre a forma de produção e o método de apropriação. Esta é a contradição básica do capitalismo. Esta contradição não pode ser resolvida dentro dos marcos do capitalismo. A única forma de derrubar o sistema capitalista baseado na propriedade privada capitalista é estabelecendo o sistema socialista por meio da revolução proletária. O desenvolvimento das contradições básicas do capitalismo fez soar a sentença de morte do capitalismo e os expropriadores serão expropriados. Enquanto as contradições básicas do capitalismo existirem, este não poderá deixar de escapar de seu destino. Este conjunto de princípios científicos me convenceram que eu nunca iria perder a confiança no socialismo sob nenhuma circunstância, mesmo diante de uma grave situação, tal como foi a queda da União Soviética e dos países do Leste Europeu.


É quando o mar está turbulento que a verdadeira face de um herói aparece. Quando o socialismo estava no auge, acreditar no socialismo não era algo difícil. O problema está em se nós podemos seguir acreditando na inevitabilidade do socialismo quando este está em baixa, algo que representa um teste para todos. Neste caso, isso mostra o poder da teoria marxista. Eu acredito que enquanto estudarmos cuidadosamente as obras clássicas do marxismo, dominarmos firmemente os seus princípios básicos e assim compreendermos as leis do desenvolvimento social, nós podemos deixar ventos e ondas nos desferir golpes que ainda permaneceremos de pé. A firmeza política vem da firmeza teórica, daí a importância de estudarmos os clássicos do marxismo.


Na cerimônia de comemoração do 200° aniversário de Karl Marx, Xi Jinping apontou que devemos durante toda a nossa vida ler os clássicos do marxismo e compreendermos os princípios básicos do Marxismo. Este deve ser o nosso lema. Esta é a garantia fundamental para não vacilarmos frente a nenhuma circunstância.


2°) Devemos estudar as obras clássicas com tendo consciência dos problemas


Na vida real podemos ver com frequência tal situação: se memoriza as palavras e sentenças do marxismo muito bem, mas ao nos depararmos com problemas práticos, esquecemos todos eles, não usando os princípios básicos do marxismo para analisar e resolver problemas. Isso envolve como devemos estudar o marxismo. O Marxismo não é um dogma, mas sim uma arma para guiar a prática revolucionária. Nós devemos combinar o estudo do marxismo aos problemas da vida real. Ao estudarmos um problema, devemos aprender como responder e resolvê-los. Somente através desse método podemos compreender o Marxismo. A simples memorização não significa estudo dos clássicos.


No começo do século XXI, houve uma discussão aguda sobre a teoria do valor trabalho. Li Tieying, então presidente da Academia Chinesa de Cientistas Sociais, escreveu suas “Notas de Leitura Sobre a Teoria do Valor Trabalho”, trazendo alguns de nós para discutir e buscar opiniões. Durante as discussões eu perguntei ao camarada Li Tieying: como você estuda “O Capital”? Ele originalmente havia estudado engenharia. Ao se aproximar de seus setenta anos o trabalho demandou que ele investigasse “O Capital”. De fato um árduo trabalho. Ele me respondeu que ao se deparar com uma questão controversa no âmbito acadêmico, ou algum problema que ele não havia entendido claramente, ele se perguntava o que Marx responderia sobre eles. Lia “O Capital” tendo essa ideia em mente, buscando encontrar posições, opiniões e métodos (não respostas prontas) para analisar e responder questões. De fato, o que ele disse foi que ao nos depararmos com qualquer problema, devemos analisa-lo de acordo com a posição e o ponto de vista do método marxista, aí então lermos os clássicos com tais ideias, visando encontrar respostas.


Estou completamente de acordo com esse método para estudar os clássicos do marxismo. Sem levar em consideração a realidade, é bastante difícil compreender os princípios do marxismo. Ao estudarmos o Marxismo, devemos ter consciência dos problemas.


Nas aulas de educação ideológica e teoria política, muitas vezes podemos encontrar a seguinte situação: alguns princípios básicos do marxismo, que são bem conhecidos por todos, podem ajudar na obtenção de notas máximas nos exames. Porém, ao se encontrar problemas práticos, não se sabe como usar tais princípios para investiga-los e responde-los. Estudar os princípios básicos do marxismo para lidar com provas e exames. Ao termina-los, todos eles retornam para os professores. Isto mostra um não entendimento dos clássicos e do marxismo.


Darei um exemplo. A economia ocidental frequentemente fala sobre a “hipótese do homem econômico”, dizendo que a natureza humana é egoísta. O egoísmo está em todos e por natureza não pode ser transformado. A propriedade privada está de acordo com os interesses egoístas dos seres humanos, por isso a propriedade privada é eterna, impossível de ser eliminada, bem como a mais eficiente. Perguntei então aos meus estudantes: esta teoria é correta? A resposta que escuto com frequência é: “sim, ela está certa”, pelo fato de o pensamento e comportamento egoísta serem bastante comuns, como se fossem a natureza humana. Eu perguntei se eles sabiam que um dos princípios básicos do marxismo era de que a existência social determina a consciência e a base econômica determina a superestrutura. Eles disseram que sim. Continuei indagando, já que a consciência social é determinada pela existência social, o egoísmo, como um tipo de consciência social, faz parte da superestrutura, que pode mudar com a transformação das relações econômicas e sociais. Como pode então o egoísmo ser a natureza eterna dos seres humanos? De acordo com o materialismo histórico, o egoísmo, como ideia, é gerado sob a base econômica da propriedade privada e irá desaparecer com a eliminação da propriedade privada. Ele portanto não pode ser eterno. Considerar que a propriedade privada é criada pelo conceito de egoísmo é nada mais do que idealismo histórico. É uma reversão das causas do problema: originalmente, a existência objetiva determina a consciência subjetiva, mas esta ideia diz que a consciência subjetiva determina a existência objetiva, colocando as coisas de ponta cabeça. Obviamente, a “hipótese do homem econômico” é uma teoria anticientífica criada por economistas burgueses para justificar a propriedade privada. Isso mostra que é inútil recitar os princípios básicos do Marxismo como dogmas sem considerar a realidade. Se nós queremos realmente entender o marxismo, devemos integrá-lo com a realidade. Somente usando os princípios básicos do marxismo para analisar e resolver problemas podemos realmente entender o marxismo.


3°) Nós devemos distinguir o que são os princípios básicos do marxismo do que são conclusões concretas derivadas do uso desses princípios básicos na análise de problemas específicos


Como nós frequentemente costumamos dizer, os princípios básicos do marxismo são uma verdade universal, que podem ser aplicados em qualquer lugar. Certa vez fiz essa afirmação durante uma aula e um estudante expressou o seu desacordo. Ele dizia que haviam erros no marxismo que precisavam ser corrigidos. Apenas abandonando as visões equivocadas do marxismo é que o marxismo poderia avançar com a época e ser desenvolvido. Ele também afirmou que Marx e Engels reconheciam isso, citando como evidência um prefácio escrito por eles em 1872 para a versão alemã do Manifesto do Partido Comunista:


Esta é uma questão que vale a pena ser aclarada. Ela envolve como tratar o marxismo e qual tipo de atitude devemos ter ao estudarmos os clássicos, estudando-os honestamente e respeitosamente ou adotando uma atitude superficial, buscando encontrar falhas.


Analisemos o prefácio escrito por Marx e Engels em 1872. Neste “prefácio”, Marx e Engels afirmam que:

Embora as condições muito se tenham alterado nos últimos vinte e cinco anos, os princípios gerais desenvolvidos neste Manifesto conservam, grosso modo, ainda hoje a sua plena correção. Aqui e além seria de melhorar um pormenor ou outro. A aplicação prática destes princípios — o próprio Manifesto o declara — dependerá sempre e em toda a parte das circunstâncias historicamente existentes, e por isso não se atribui de modo nenhum qualquer peso particular às medidas revolucionárias propostas no fim da secção II. Este passo teria sido hoje, em muitos aspectos, redigido de modo diferente. [2]

Aqui Marx e Engels indicam um importante princípio metodológico para aprender e estudar o marxismo: devemos saber distinguir os princípios básicos do marxismo das conclusões concretas derivadas do uso desses princípios na analise da situação concreta daquela época. Os princípios básicos do marxismo refletem as leis gerais do desenvolvimento da natureza, do pensamento humano e da sociedade. Como um sistema teórico, o “todo” é sempre “completamente correto”. Eles não ficarão datado devido as mudanças de uma época, nem serão eles diferentes devido as características diferentes entre os países. Os princípios básicos do marxismo são uma verdade universal que podem ser aplicados em todos os países. Mas o marxismo não é apenas uma teoria para o estudo, mas sim um guia para a ação. No processo de guiar a prática revolucionária, ele deve ser combinado com a especificidade da época, usando esses princípios básicos para analisar diferentes situações e estabelecer novas conclusões, de forma a conseguir um contínuo desenvolvimento. Essas conclusões específicas mudarão de acordo com a mudança da época e serão bastante variadas de acordo com as diferentes condições entre os países. Não podemos nos aferrar a conclusões específicas, nem copiar mecanicamente a experiência de outros países.


O que Marx e Engels disseram aqui é diferente daquilo que foi dito por aquele estudante, que eles supostamente teriam admitido que no marxismo existem princípios corretos e errados. Alguns desses princípios seriam datados de acordo com a mudança dos tempos ou por causa das características nacionais. Os princípios básicos do marxismo são reflexo de leis gerais e verdades universais. Primeiramente, eles não perderão a validade nem mudarão de acordo com a mudança de época. Segundo, eles são aplicáveis em todos os países e não mudarão por causa da existência de diferentes condições nacionais. Por último, eles são um sistema teórico científico completo. Cada princípio não é algo isolado ou irrelevante, mas estão ligados intimamente uns com os outros formando assim um sistema. Se um princípio é negado, de acordo com sua lógica interna teórica, os outros princípios também serão negados, o que levará ao colapso de todo o edifício do Marxismo.


Após a Reforma e Abertura surgiu uma tendência nos círculos teóricos, que era a de apontar erros em Marx ou Mao Tsé-tung, dizendo que haveria erros e problemas neste ou naquele princípio, chamando isso de inovação teórica ou desenvolvimento do marxismo. Isso é algo totalmente equivocado. A premissa do desenvolvimento é admitir que o pensamento é científico e correto. Coisas erradas não podem ser desenvolvidas. O marxismo está em constante desenvolvimento, mas desenvolver o marxismo não significa negar alguns de seus princípios básicos. Tendo em vista as novas situações e tarefas, devemos usar os princípios básicos do marxismo para tirarmos novas conclusões que podem nos guiar na prática revolucionária. Quando o capitalismo evoluiu para sua fase monopolista, Lenin usou os princípios básicos do marxismo para analisar a nova situação da era do imperialismo e da revolução proletária, colocando adiante novas ideias e liderando o povo russo na grande vitória da Revolução de Outubro, estabelecendo o primeiro Estado socialista, fazendo que o marxismo avançasse para a etapa do Leninismo. Mao Tsé-tung liderou a luta revolucionária na China semicolonial e semifeudal. Ele combinou os princípios básicos do marxismo com as condições nacionais de um país oriental atrasado como a China. Ele formulou uma série de novas ideias que deram origem ao Pensamento Mao Tsé-tung. Nem o Leninismo, nem o Pensamento Mao Tsé-tung abandonam os princípios básicos do marxismo. É precisamente por terem usado esses princípios básicos, combinados com a realidade específica, é que eles puderam formular novas ideias e desenvolver o marxismo.


Devemos manter a guarda contra alguns enganadores teóricos, que se opõem ao marxismo sob a bandeira do desenvolvimento do marxismo.


Analisemos como Mao Tsé-tung tratava esta questão. Durante o movimento de retificação em Yanan, em 1942, Mao Tsé-tung resumiu os vinte um anos de experiência de construção do Partido e desenvolveu um importante princípio, que era o de combinar o marxismo com a realidade específica da China. Por um lado, devemos aderir aos princípios básicos do marxismo. Negar tais princípios básicos é revisionismo. Por outro lado, devemos usar tais princípios básicos para analisar a realidade específica da China e tirar conclusões específicas de acordo com a realidade do país. Não proceder partindo da realidade específica da China é dogmatismo. Depois ele enfatizou esse princípio muitas outras vezes. Em 13 de março de 1949, durante a segunda sessão plenária do 7° Comitê Central do Partido Comunista da China, Mao Tsé-tung reiterou que a teoria e a prática da China era a “unidade das verdades universais do marxismo e a prática específica da Revolução Chinesa”. [3] Mao Tsé-tung prestou grande atenção a leitura das obras clássicas. Ele não apenas listou os livros que deveriam ser lidos, chamando todo o Partido para que os estudassem, como também tomou a liderança no estudo e na leitura dessas obras. Em 1930, ele disse que leu o Manifesto do Partido Comunista mais de cem vezes. Antes de morrer ele tinha três edições do Manifesto do Partido Comunista em sua cama.


Em 1956, quando criticava o revisionismo kruschevista, ele também propôs a combinação das leis universais com as características nacionais. Por um lado, devemos aderir ao caminho da Revolução de Outubro, porque este caminho reflete os princípios básicos do socialismo científico e possui um significado universal; por outro lado, devemos explorar o caminho específico da Revolução de Outubro a luz das nossas condições nacionais. O caminho básico é algo comum e o caminho específico possui características nacionais.


Na tarde de 14 de fevereiro de 1959, Mao Tsé-tung se encontrou com Arturo Matte, do jornal chileno “Último Minuto” e teve algumas conversações sobre o marxismo-leninismo. Nesta conversa, Mao Tsé-tung afirmou que “os princípios básicos do marxismo-leninismo não mudaram, porém algumas conclusões específicas podem ser alteradas”. [4] “devemos aderir aos princípios básicos do marxismo-leninismo, mas é possível que que certas conclusões de Marx e Lenin sobre certas questões individuais não são apropriadas, pois elas são limitadas pelas condições da época. [4]. Ele também afirmou:

Quando Marx estava vivo, ele não podia prever todos os problemas que surgiriam posteriormente, nem resolver todos os problemas daquela época. Os problemas da Rússia puderam ser resolvidos por Lenin e os problemas da China podem ser resolvidos apenas pelos chineses. [4]

A Revolução Chinesa possui muitas práticas únicas, mas Mao Tsé-tung afirmou:

Eu não considero que os chineses traíram o marxismo-Leninismo. O Partido Comunista da China sempre aderiu aos princípios do marxismo-leninismo, pois eles são uma verdade universal. Esta é uma questão de unidade dos princípios universais com a situação específica da China.

De acordo com o Pensamento Mao Tsé-tung, quando nós estudamos o marxismo devemos fazer isso de maneira realista. Por meio da leitura dos clássicos, nós podemos dominar firmemente os princípios básicos do marxismo. Essa é a coisa mais importante. Um aprendizado verdadeiro pode produzir um entendimento verdadeiro, que por sua vez se converte em confiança verdadeira. Sob a base de um verdadeiro estudo, verdadeiro entendimento e verdadeira confiança, devemos aprender como usar esses princípios básicos para analisar os problemas que surgem.


4°) Devemos aprofundar o nosso entendimento do marxismo através da luta contra errôneas tendências de pensamento


O marxismo não é apenas científico, mas também combativo. O marxismo sempre se desenvolveu no processo de lutar contra todos os tipos de ideias equivocadas. No “Manifesto do Partido Comunista”, escrito por Marx e Engels, um capítulo especial foi escrito dedicado a criticar todos os tipos de pensamento socialista da época. “O Capital” de Marx foi escrito para criticar a economia política burguesa.


Criticar os pensamentos errôneos é a nossa missão e o nosso dever inabalável, bem como distinguir o certo do errado e educar as massas. Esconder problemas, pretender ser um “gentleman” bem-educado, não estar disposto a mostrar a espada, não ousar tomar uma clara posição na luta contra os pensamentos errôneos quando estes continuam a nos deferir ataques, seria negar a nossa missão. Somente no processo de criticar todas as tendências de pensamento equivocados poderemos aprofundar o nosso entendimento do marxismo.


Desde a Reforma e Abertura, com as mudanças da situação internacional e nacional, o nosso país foi inundado com uma variedade de ideias errôneas no campo ideológico. Havia uma situação sombria sem precedentes no campo ideológico. Era uma situação onde basicamente o inimigo atacava e nós nos defendíamos. Desde o 18° Congresso do Partido Comunista da China, sob a liderança do camarada Xi Jinping, uma série de efetivas medidas estão sendo tomadas na frente ideológica, de modo que a situação no campo ideológico melhorou bastante. No entanto, as tendências ideológicas equivocadas não foram ainda completamente eliminadas.


Muitas pessoas estão preocupadas com a situação no campo da ideologia. De fato, os problemas nessa área devem ser levados muito a sério. Depois das transformações na União Soviética e no Leste Europeu, podemos ver que a evolução ao capitalismo começa pela ideologia. Primeiro se confunde o pensamento das pessoas, então se cria tumultos e o poder é tomado em meio ao caos. A importância do trabalho ideológico para a consolidação da Ditadura do Proletariado, sistema socialista e para a prevenção da “evolução pacífica” não pode ser subestimado.


Essa invasão de ideias e pensamentos errôneos é algo ruim, mas também possui aspectos positivos. Estabelece para nós um alvo de crítica. Ao criticarmos todo o tipo de ideias equivocadas, isto nos ajuda a aprofundar o nosso entendimento do marxismo, e até certa medida, desenvolver o marxismo. Para lutar contra todas as tendências de pensamento equivocados, nós não devemos apenas só saber onde eles estão, mas também saber usar a posição, os pontos de vista e os métodos marxistas para analisar e positivamente expor o marxismo, distinguindo o certo e errado. Isto nos obriga a estudar os clássicos do marxismo, encontrar nossas armas através de nossos antecessores, aprendendo como entender o marxismo em luta contra as tendências equivocadas de pensamento. Esta é também uma contribuição dada por essas tendências erradas.


Certa vez me deparei com um argumento anunciado por um “famoso teórico” de que a teoria do valor de Marx era defeituosa. Primeiro, ela ignorava o papel dos meios de produção na criação do valor. Sem os meios de produção a produção não pode ser conduzida. É errado negar que os meios de produção também são um elemento de criação do valor. Segundo, a teoria do valor não poderia explicar o fenômeno de que produtos sem participação do trabalho também possuem preço, tais como a terra, preço das ações, etc. Terceiro, a teoria do valor enfatiza que o trabalho físico cria o valor e negligencia o papel do trabalho intelectual tais como a administração e gestão na criação do valor. Em apenas um olhar podemos ver que essas ideias são uma bobagem. No entanto, para criticarmos essas besteiras, precisamos estudar a fundo O Capital, encontrar a origem e o desenvolvimento da teoria do valor-trabalho e o seu significado e aí então explicar claramente o seu correto ponto de vista. Nós podemos aprofundar o nosso entendimento da teoria do valor trabalho de Marx a partir da crítica dos erros de certos “famosos teóricos” que a acusam de ser defeituosa.


Nos últimos 40 anos eu acumulei certa experiência no trabalho teórico. Ao lutar contra as tendências de pensamento equivocadas eu aprofundei e compreendi um pouco mais o marxismo. Mao Tsé-tung disse que ao escrever um artigo você precisa ter um lado oposto, caso contrário não existirá espírito de luta. Ao não existir um contrário as pessoas não poderão pensar profundamente.


Criticar pensamentos errados é uma boa maneira de estudar o marxismo.


Zhou Xincheng, tradução de Martinez

Referências:


[1] Xi Jinping fez um importante discurso na cerimônia de abertura das aulas preparatórias para quadros jovens e de meia-idade da Escola do Comitê Central do Partido Comunista da China e afirmou que: fortalecer a cultivação teórica através do estudo e inovação, tomando a iniciativa de integrar o conhecimento com a prática. Diário do Povo, 2 de Março de 2019.


[2] Obras Escolhidas de Marx e Engels, Volume 1. Beijing: People’s Publishing House, 1995. N.T: a citação em português presente neste artigo foi retirada da versão eletrônica do Prefácio da Edição Alemã do Manifesto do Partido Comunista, publicado pela Editora Avante e disponível no Arquivo Marxista na Internet (MIA): https://www.marxists.org/portugues/marx/1848/ManifestoDoPartidoComunista/prefacios.htm#tr1


[3] Obras Escolhidas de Mao Tsé-tung, Volume 5. Beijing: People’s Publishing House, 1996


[4] Obras Escolhidas de Mao Tsé-tung, Volume 8. Beijing: People’s Publishing House, 1999


Link para a versão original do artigo (em chinês): http://www.cwzg.cn/theory/201908/51149.html

Zhou Xincheng nasceu em dezembro de 1934, na província de Jiangsu na República Popular da China; economista, teórico marxista, educador e especialista em questões da União Soviética e Europa Oriental; ex-reitor da Escola de Pós-Graduação da Universidade do Povo da China, professor da Escola de Marxismo na Universidade do Povo da China.

CONHEÇA A NOSSA LIVRARIA! COMPRE OS NOSSOS TÍTULOS!